Citação

Totalmente Enrolada – O Big Chop

Hoje no Totalmente Enrolada a Taís Gavioli Araújo vem falar como foi que ela superou o Big Chop e o que ela aprendeu com ele… Vem se enrolar também!

11910698_877370969023329_1369529499_n

O que eu aprendi com o Big Chop

Oiii meninas, estou aqui pra contar que passei pela fase dos 3 meses de big chop com sucesso rsrs, posso dizer que foi a fase mais difícil de toda a transição, depois que passa aquela alegria toda de ter se libertado vem o ” E agora? ” . Essa pergunta fica martelando na nossa cabeça, a gente vai na frente do espelho e tenta arrumar de todos os jeitos possíveis porque os compromissos não podem esperar. Muitas de nós acredita que quando cortamos, o cabelo vai enrolar na mesma hora mas se decepciona com o que vê, sim o cabelo fica pior do que a gente achava que ficaria.  Sim, a definição parece que nunca vai acontecer, nos sentimos como umas Ets; sim, choramos de arrependimento daí vem aquela pessoa que não sabe o que diz e fala ” seu cabelo ficou horrível assim, melhor alisar” (pior pergunta ever).

É nesse momento que a gente percebe que não nos arrependemos coisa nenhuma, porque sentimos a vontade de explicar o porquê da nossa escolha, mas só para olhamos e pensamos ” quer saber, não, vale a pena sim, está lindo sim, e vai ficar melhor ainda e você que está falando mal ainda vai elogiar (pode acreditar é assim q acontece)”. 

A primeira saída é uma sensação estranha de uma nova mulher que está se conhecendo , a primeira hidratação a gente coloca a maior fé e não é como esperamos. O dayafter é uma coisa que não é de Deus kkkkkk. Muitas meninas desistem nessa fase, muitas se sentem sozinhas sem o apoio da família, a casos de namorados (se é que podem ser chamados assim, porque amar nóis num ama, como diria Petrisson) que terminaram por não gostar (homens tem medo da mulher confiante) da nova namorada ao invés de apoiar…

Todo esse sofrimento faz parte da nova mulher que nos tornamos depois que cortamos o cabelo, as decepções, as coisas ruins que ouvimos, as opiniões que não pedimos, nada disso importa quando olhamos pro espelho e vemos quem somos realmente que aquele cabelo foi Deus que nos deu, que aquele papo de ” você não fica bem de cabelo crespo” é mentira….

Até que depois de muitooooo cuidado amor e dedicação, os primeiros sinais de definição vão aparecendo, um cacho aqui outro ali, 1000 fotos pra mostrar a nova descoberta, aquela sensação de “uhuuul tá cacheando “ e tome cronograma, até que a gente aprende do que nosso novo cabelo precisa, de que jeito ele fica melhor, e aí é só amor. A vontade de cuidar só aumenta, e as opiniões pouco importam, a alegria toma conta…

Eu vivi e passei pelos 3 meses do temido BC e hoje posso dizer que eu sou muito mais feliz, nenhuma opinião me derruba fácil, me tornei mais forte, mais empoderada,me reconheço no espelho de dentro pra fora… Só amor, cacheadas, só amor
Mulher também é bonita de cabelo curtinho, não deixe que digam ao contrário … Força meninas

11225155_953054791454946_5132829914607821904_n
Quem disse que cacheada não pode ter franja?!

13307229_1030557520371339_2846451279305769029_n

Gostou da história da Thaís?! Vem contar a sua também! Beijos de brilho e definição :* :*

Cabelos e Padrões de Beleza?

Cabelos e Padrões de Beleza?

É, onduladas, hoje chegou o dia de conversarmos francamente sobre padrões de beleza e como eles influenciam nossos cabelos. Quem aqui já sofreu bullyng por causa do cabelo e você já pensou o por quê disso?

O padrão que é imposto pela mídia é o da mulher europeia e norteamericana, branca, magra, loira e do cabelo bem liso. Tudo que se diferencia disso é associado aos traços negros, o que nessa sociedade racista tem um caráter negativo e “tem que ser combatido ou disfarçado”. E os nossos cabelos não ficaram fora desse enquadramento, apesar de não termos o cabelo cacheado ou crespo, as ondas já remetem minimamente a uma forma diferente, então tiveram que ser alisadas e disfarçadas.

Cara Delevingne – Modelo

E agora, a gente começou a assistir um movimento lindo de mulheres que começaram a assumir seus cabelos nas suas formas mais diversas e nós onduladas não ficamos fora dessa, começamos a colocar nossas ondas temperamentais ao vento.

Blogueira e símbolo do cabelo cacheado
Rayza Nicácio – Blogueira e Símbolo do Cabelo Cacheado

Então se criou um ideal de cabelo cacheado bem definido, sem frizz, perfeitamente modelado. Mas nem todos os tipos de cabelos foram contemplados nesse ideal, os principais atacados são os cabelos crespos que novamente foram rotulados de cabelos duros e todo aquela ladainha racista que sabemos qual é, mas poucas sabem na pele o que é. Também tentamos nos enquadrar nesse modelado, principalmente porque as ondas de babyliss que estão aí e Gisele vêm nos mostrar isso, pois suas ondas estão sempre perfeitas e sensuais.

Gisele
Gisele Bundchen – Modelo Aposentada e Símbolo da “Beleza Brasileira” pelo mundo afora.

Só quem é ondulada sabe que a realidade não bem é essa, seu cabelo tem vontade própria e tentar doma-los é uma tarefa árdua, principalmente cansativa e nem sempre necessária. Nosso cabelo tem em sua essência a própria inconstância e não é necessário tentar forçadamente modela-lo incansavelmente sempre, vamos deixa-los livres, tentarmos ser livres também de todos os padrões de beleza e empoderar outras mulheres da sua beleza e liberdade

large (4)
Você é a dona do seu próprio cabelo e do seu próprio corpo!

Terminaremos esse post com uma frase de Simone de Beauvoir que traduz bem o que queremos para todos os padrões de beleza e uma boa música que questiona esses padrões. Um cheiro!

Que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância, já que viver é ser livre. ❤